terça-feira, 12 de agosto de 2008

Danuza Leoa

Danuza Leão viveu de maneira intensa. De sua infância no interior do Espírito Santo a sua chegada no Rio de Janeiro aos 10 anos, sua adolescência e intimidade com grandes nomes das artes carioca, às idas a Paris, seus casórios e descasórios, os filhos... Tudo é narrado de maneira leve e gostosa de ler em Quase Tudo, sua autobiografia lançada em 2006. Com dois anos de atraso o livro chegou às minhas mãos, mas como bem dizia o homem das cavernas, profetizando em gravuras rupestres: antes tarde do que nunca. Começando com uma compilação de imagens de uma elegante e linda modelo, com direito a fotografias de Richard Avedon e capa da Revista Manchete, o livro “de capa” chama a atenção de quem possui algum interesse por Moda. Mais tarde a atenção se volta para a mulher incansável que aproveita as oportunidades que batem, às vezes literalmente, a sua porta. São as delícias de quem vive sem planejar e com grande capacidade de se reeguer ou mesmo de ir em Paris ser feliz e depois voltar. E no decorrer da leitura as atenções se desdobram – pela esposa, mãe, jurada de programa de calouros, dona de boutique, promoter, jornalista – tendo como pano de fundo o cenário político-social carioca, naturalmente inserido no contexto de todo um país. É leitura, no mínimo recomendável e no máximo, obrigatória. É bom saber de tudo. Ou Quase Tudo.

Legenda: ensaio para Harper's Bazaar em 1960, por Richard Avedon; fotografada por uma amiga em Paris; em ação no filme de Glauber Rocha "Terra em Transe"

O Livro: Quase Tudo - memórias - Danuza Leão. Companhia das Letras

Outros títulos: Danuza todo dia, Crônicas para guardar, As aparências enganam e Na sala com Danuza.

10 comentários:

Claudia Pimenta disse...

oi priscila! a danuza faz parte da história brasileira... com certeza! bjs!

bel sant anna disse...

eu tenho esse livro!!e amei ler ele! li num fim de semana, não desgrudei...a história dela é intensa e é legal saber que ela é avó da rita wainer...aliás, aquela foto do richard avedon dela, é demais!
o mais legal, é que eu não paguei nada pelo livro!meu pai achou no lixo, acredita?
bjos!

Fê Resende disse...

danuza é bafo, né? eu li esse livro de uma vez só quando saiu - era pra durar as férias inteiras mas não durou nada - e que fotos glamouroooooooooooosas, néam? =)

Marta De Divitiis disse...

Danusa é o máximo, amei esse livro. Uma vida riquíssima em experiências, histórias ótimas, especialmente a do encontro fortuito em Paris, no final do livro. Uma lição para todas nós mulheres. A propósito, acabei de conhecer seu blog e gostei bastante! beijo

Sheyla disse...

Priscila,
Excelente dica. Meio que devorei o livro, rs... Como a Marta, comentário acima, conheci seu blog hoje e vou linká-la no Garimpo de Estilo. Passa lá. Ah, também tenho o blog Cortina Aberta, mas esse é sobre meus devaneios, rs...
Bjs e aguardo sua visita.

Helena Castro disse...

gente, pelo visto só eu que ainda não li!!!! risos.

belíssimas as fotos dela.

beijos, helena

Marisa Pimenta disse...

Olá Priscila, vi seu comentário no blog da minha filha Claudia sobre as ecobags e te convido a ver no meu blog as q estou fazendo p vender e q são dobráveis, cabem dentro da bolsa e na hora das compras é só abrir os botões. Vá lá e veja se gosta. acessoriosdamarisa.blogspot.com
SEja bem-vinda. Bjks

Carolina Carvalho disse...

Pri, esse livro realmente é bárbaro!Acredita que o li na livraria?Em dois dias, na hora do meu intervalo, na época trabalhava no shopping!!!!kkkkk
Adorei seu texto!!!Como sempre te digo vc leva jeito!!!
Bjokas

elizete disse...

Danuza uma mulher a frente do seu tempo,uma vida rica e intensa e po~e intensa nisso que inveja dessa mulher que soube como ninguem aproveitar e curtir a vida,livro riquíssimo as imagens de uma verdade imensa amei esse livro devorei e quero ler de novo

elizete disse...

Danuza uma mulher a frente do seu tempo,uma vida rica e intensa e po~e intensa nisso que inveja dessa mulher que soube como ninguem aproveitar e curtir a vida,livro riquíssimo as imagens de uma verdade imensa amei esse livro devorei e quero ler de novo