quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Moda com os pés no chão

Conforme o prometido, posto uma entrevista com a coordenadora do curso de Moda da Faetec, Laila Cerqueira (foto). Com poucos anos a mais que eu, Laila é a responsável por coordenar o curso que conta com alunas com idade para ser sua mãe e uma equipe de dez funcionários. A idéia do projeto surgiu ainda na sua graduação, quando percebeu que alunos brilhantes eram perdidos por falta de condições financeiras. Sua formação é superior em Moda, M.B.A em Produção de Moda/Stylist e Licenciatura Plena em Educação Artística. Aprecio muito a sua coragem e o pensamento coletivo ao dedicar o seu tempo naquilo em que acredita. Suas repostas foram esclarecedoras.

Moda Pára Tudo: Quando e como surgiu a idéia do curso?
Surgiu na época em que eu estava cursando graduação em moda (2001). Pude perceber no bolso a dificuldade de se manter na faculdade pelo alto custo da mensalidade e pelo gasto diário com os materiais utilizados no dia-a-dia do curso. A faculdade de moda é um curso caríssimo! Hoje custa em média R$800,00 reais por mês e não existe nenhum curso técnico ou superior gratuito no Rio ou em São Paulo, ou seja, só os “ricos” têm a chance de se capacitar para entrar no mercado de trabalho. Um absurdo! Fico muito feliz com essa conquista. Em menos de um ano, o curso de moda da Faetec, sem divulgação, tem sido um dos mais procurados de toda a rede, superando os tradicionais.

MPT: De que maneira você conseguiu viabilizá-la?
Com muita coragem consegui marcar uma reunião com a professora Terezinha Lameira, na época (2003), vice-presidente da Faetec. Em cinco minutos consegui convencê-la da importância do meu projeto – de um curso gratuito e de qualidade no Rio de Janeiro, principalmente numa instituição com a Faetec. Ela acreditou na idéia e fui contratada.

MPT: Sabendo que esse é o primeiro curso técnico nesses moldes, que tipo de orientação vocês oferecem para os alunos?
Uma orientação acadêmica adequada as diversos segmentos da moda, procurando desenvolver a habilidade manual do aluno e a capacidade de resolver problemas, além do interesse por pesquisas e atividades culturais. Procuramos englobar temas sociais e culturais no nosso cotidiano, como por exemplo a consciência ambiental com o uso da reciclagem de materiais. De um modo geral, buscamos orientações necessárias para formar profissionais éticos, que compreendam o trabalho em equipe e sejam capazes de atuar no mercado.

MPT: Como é a sua relação com os alunos e de que maneira vocês driblam as dificuldades (as estruturais e a dos alunos)?
A minha relação com os alunos é a melhor possível. Na verdade é uma relação de troca, um acrescenta o outro. Aprendo muito com os alunos. Gosto de ver a evolução de cada um deles. Esse processo me alimenta, me traz muita alegria. Fico muito feliz em poder estar contribuindo não só com o crescimento profissional, mas também com o comportamento, a ética e a cidadania. As dificuldades são muitas, porém são dribladas com muita vontade. Quando você faz o que gosta, nada te segura: o trabalho flui melhor, o tempo passa rápido e as dificuldades viram desafios.

MPT: De que maneira a moda influencia sua vida?
De uma maneira saudável. Não respiro moda. Eu estudo, acompanho e divulgo.

MPT: Quem são seus ícones fashions?
A minha mãe, que além de ser linda e elegante, trabalha o dia todo com a educação no Brasil – isso já diz tudo –, é uma ótima profissional e consegue arranjar tempo para lamber a cria.

Agradeço a Laila, fofa e sempre disposta a ajudar.
Pra quem perguntou, o telefone do curso é 2299-1884. Formam-se turmas a cada semestre e é preciso fazer uma provinha para o ingresso.

2 comentários:

Francielle da Maia disse...

Que maneirooo
adorei a história dela..muito corajosa..correu atras..maneiro..
obrigada querida por este post..

Um beijo

Aline Nogueira disse...

Como a própria Laila fala: "Tudo de Bom!" rsrsrs